.

BOTE FÉ! Jornalismo a Favor da Cidadania!

Derrubada de árvore foi motivo do apagão






A cidade de Ipiaú e circunvizinhas ficaram sem luz a mais de 6 horas na última segunda-feira (12). Entre as mazelas, os medos dos moradores eram vistos facilmente.
Rua da Batateira

A cidade ficou no breu e só as estrelas e a lua eram vistas no céu como fonte de luz.

Os apagões estão sendo frequentes e as desculpas do grupo responsável pelo fornecimento de energia não paga o desconforto da população.  

Só a luz do carro para iluminar a rua

De acordo com a Coelba o problema do apagão foi devido a um defeito na linha de Alta Tensão. No entanto, de acordo com o site Panorama Ipiaú, a causa do apagão foi devido a derrubada de árvores.

Uma informação interna da Coelba, digna de confiança, confidenciou que madeireiros na região de Gongogi derrubaram uma enorme árvore que atingiu e danificou uma rede de alta tensão, deixando cerca de 20 municípios sem energia”, Panorama Ipiaú.
Foto Irlan Vieira

Quem é que paga o preço por isso? A resposta é simples, a comunidade fica sem entender. Mais de vinte municípios ficaram sem energia.

A condição é assim

Caso, alguém de nós, cidadãos comuns, ficarmos sem pagar a conta de energia, a Coelba não mede esforços para corta o fornecimento.

Outro fator negativo é a falta de comunicação para com o povo, durante o apagão não tínhamos nenhuma informação do porque estava acontecendo a interrupção de energia.       

Adenilson Silva, morador da Rua conhecida como Batateira discorreu sobre o fato do apagão.  


“Muito transtorno e sem informação, não sabíamos de nada, a cidade ficou sem comunicação. A Coelba não informou nada. E os prejuízos quem é que vai pagar para a população? ” Indagou Adenilson.

Desmatamentos

A prática do desmatamento da Mata Atlântica ainda é frequente e é preciso ser visto com mais rigor e serenidade.
O que era para ser preservada esta sendo destruída. E o futuro das nossas crianças?   

Todos nós sabemos a importância que as árvores representam para o ser humano e sem elas não conseguiríamos sobreviver.  Vamos preserva.  






Vicente Andrade      
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial