.

BOTE FÉ! Jornalismo a Favor da Cidadania!

Segundo dia do agrocacau aborda a produção do chocolate



O cacau foi e ainda é um fruto de suma importância para a economia do sul da Bahia e também para a produção de chocolate.

Produtos artesanais: Cores da Terra


Para tanto, está sendo realizado na AABB de Ipiaú, desde ontem (22), o 2° Agrocacau realizado pelo Colegiado do Território Médio Rio de Contas (TIMRC), por meio da Câmara Territorial do Cacau e do Chocolate (CTCC). O evento acontece até o dia 24.

O Agrocacau é um evento que acontece anualmente e tem como objetivo transmitir conhecimentos, debates, inovação tecnológica e pesquisa sobre o assunto do cacau e da produção do chocolate.

Ao todo, 16 municípios que pertencem ao Médio Rio de Contas participaram da programação para debater a importância do cacau para a região. As associações, sindicatos, cooperativas, produtores da agricultura familiar, profissionais da área, servidores públicos e privados também marcaram presença.

Além disso, a ação serviu para que estudantes, agricultores e afins pudessem apresentar a confecção dos derivados do cacau e participar dos cursos durante o evento.

A gestão eficiente de uma fazenda de cacau

O evento também contou com a mesa redonda que discutiu a gestão eficiente da fazenda de cacau.
Participantes da mesa, esquerda para direita: Adilson Andrade, Edvar Batos, Edilton Oliveira e Sérgio Teixeira 

Para Edvar Bastos, um dos responsáveis pelo evento, a importância do 2° agrocacau é sensibilizar os produtores e lideranças para o investimento em novas tecnologias e verticalização da produção.   

“Temos como objetivo nessa discussão de sensibilizar os produtores e lideranças para a necessidade do investimento para verticalizar a produção do cacau, ou seja, transformar o cacau no chocolate”, disse Edvar.

Público do agrocacau 

Ainda de acordo com Edvar a produtividade do cacau baixou muito depois da vassoura de bruxa e por isso, a verticalização do produto e as novas tecnologias serão importantes para aprimorar a produção.

Edvar  complementou que “o produtor descapitalizado não terá acesso fácil a essa tecnologia para produzir o chocolate. E por isso,  será preciso sensibilizar os gestores para que os pequenos produtores  possam desenvolver o programa de verticalização e produção do cacau. Também é necessário fortalecer as cooperativas e as associações”.

Edilton de Oliveira presidente do Sindicato Rural de Ipiau abordou a questão da capacitação do pequeno produtor para a produção de novas culturas de produção.
Edilton Oliveira 

“Iremos oferecer aos pequenos agricultores o curso de capacitação para  produzir o palmito e o chocolate de maneira que contribua com a economia  dos produtores”, afirmou Edilton.

Joaci Moreira, do Assentamento Coroa Verde, também externou sua opinião sobre o 2° Agrocacau.

Joaci do Assentamento Coroa Verde 

Esse evento foi muito importante para a sociedade devido a crise que estamos vivendo na região cacaueira. O investimento é importante, mas também, me preocupo com a questão da água, pois, se plantar e não molhar, não vamos colher os frutos.

Na prática  

Estudantes do Cetep de Ipiaú  e do IF Baiano de Uruçuca participaram do evento na feira do agrocacau mostrando as diversidades e derivados da produção.


Geila Barreto, 19, estudante de alimentos do IF baiano, viajou junto com a turma para apresentar na prática a produção do chocolate.

Geila Barreto, estudante do IF Baiano 

“Estamos aqui desde ontem, onde estamos apresentando como é realizada a produção do chocolate. Aprendemos muito neste evento. Ele traz novas formas de produção do cacau”, ressaltou Geila.

Mailane Souza, também estudante do IF Baiano de tecnologia de alimentos discorreu sobre a mostra de cacau.
Estudantes do IF Baiano

“Como faço parte do curso de alimentos, o ponto importante nesse evento é como ensinar a produzir chocolate em pequena escala. Esse modo de produção traz benefícios para os pequenos produtores e associações”, concluiu Mailane.

Estudantes do Cetep de Ipiaú

Josy ribeiro estudante de agroindústria do Cetep de Ipiaú apresentou junto com a turma o licor de chocolate com pimenta e disse que: “O licor de chocolate com pimenta não arde e tem o teor de álcool e calórico baixo. A bebida é quente e pode ser servida depois do almoço e também para a família”

Catiele Barbosa, estudante de nutrição do Cetep, mostrou o biscoito de cacau e explicou que: “Todo ano participamos do agrocacau com proposta diferente. Este ano desenvolvemos um biscoito feito com 70% do cacau e os 30 % se subdivide em açúcar, farinha de trigo e manteiga. Buscamos incentivar o consumo caseiro ao invés de biscoitos industrializados”.

Vicente Andrade      

         
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial