.

BOTE FÉ! Jornalismo a Favor da Cidadania!

Sessão da câmara ( Cetep está abandonado)






Na sessão da câmara dessa terça-feira (23) foi enriquecedora para entender o quanto a união da comunidade pode conseguir benefícios significativos para conquistar direitos.

No primeiro momento, Ananias filho, presidente da Associação dos Moto-taxistas foi até a câmara explicar e pedir apoio dos vereadores para aprovação do projeto que vai beneficiar a classe dos trabalhadores moto-taxistas. No total todos os vereadores se prontificaram a ajudar.

O Cetep

Gilvânio Zifirino diz que o Cetep está abandonado

A discussão que tomou a maior parte do tempo foi a falta de transporte gratuito para os estudantes do Cetep de Ipiaú.

A questão é que o governo do estado cortou a verba que garantia o serviço. Devido a isso, os estudantes se movimentaram na última semana e bloquearam a BR-330 para chamar atenção das autoridades. Além disso, os estudantes juntamente com os pais foram até o ministério público cobrar os direitos. Até então tudo certo, conseguiram o transporte.

Por outro lado, como a burocracia do nosso País é um processo que dificulta o andamento das conquistas dos direitos, os estudantes podem ficar entre 30 a 90 dias no prejuízo até que o serviço volte a funcionar. Fora isso, os alunos já perderam 15 dias de aula.

Para sanar o problema o diretor do Cetep, Gilvânio Zifirino Neto, pediu o plenário da câmara de vereadores para expor o problema para os Edis e conseguir o transporte até a situação ser regularizada. Todos se prontificaram a ajudar.

Gilvânio também anunciou que foi marcado para esta quinta-feira (25), uma reunião com o prefeito para tomar decisões cabíveis. Enquanto isso, os estudantes estão sem ir para a escola.
De acordo com Gilvânio a discussão na câmara foi importante para somar forças.

“Essa reunião foi salutar para adquirirmos forças e solucionar o problema do transporte. Imaginamos que isso venha acontecer, vamos esperar a reunião na quinta-feira com o prefeito para ver se vamos consolidar” afirmou Zifirino.

Ainda de acordo com Gilvânio, “o Cetep também passa por diversos problemas estruturais de energia, água e internet que precisam ser sanados de modo eficiente”. Gilvânio ainda complementou que o Cetep está abandonado.

A união faz a força

Sem sombra de dúvida é necessário que a população entenda a importância da união para conquistar direitos e efetivar a democracia.

O governo do estado cortou a verba que garantia o transporte público gratuito dos estudantes da rede do Cetep. O impressionante é que mesmo sabendo que é um direito fundamental para os discentes, os governantes fazem o que bem entendem.

Graças à intervenção e a união dos pais e estudantes que interditaram a BR 330 e deram entrada no ministério público, os mesmos, conseguiram conquistar o direito. Que essa situação sirva de exemplo para todos.

Uma análise

O Brasil vive uma crise econômica e principalmente política. A econômica se deu principalmente pelo roubo descaradamente dos cofres públicos do nosso país. A questão é que o roubo foi tanto que afetou mais ainda a população, principalmente os desfavorecidos. Escolas sucateadas, hospitais lotados, segurança pública pedindo socorro e o desemprego aumentando.   

Corte de verba na educação, na saúde, na segurança pública e pior ainda, aumentaram e inventaram impostos a torto e a direita. Este é o reflexo do cotidiano. Agora, quem vai pagar a conta mesmo?

Já a crise política é a pior de todas, primeiro, por que a política partidária inverteu os valores, ninguém mais sabe quem é esquerda ou direita. Segundo, dificilmente enxergamos um político interessado no bem da população e sim em benefício próprio. Cobrir o sol com a peneira é a mesma coisa que carregar água no cesto, nada vai funcionar.

O que precisa ser feito na verdade é humanizar a política, pois se fala muito em educação e nada é feito para valorizar os professores, querem arranjar culpados e nada fazem para mudar o cenário.

Ressaltam as melhorias e fazem vistas grossas para as mazelas. Falam de democracia e justiça e esquecem de praticá-las. O que se vê é apenas o seguinte, uns culpam o governo do estado, outros culpam o governo do município. No fim, todos entregam as mazelas do outro e ficam procurando culpados. A realidade é que quem sai no prejuízo sempre é o povo.

Vicente Andrade    
 


Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial