.

BOTE FÉ! Jornalismo a Favor da Cidadania!

Dona Dió: A vida e a história da Igreja de São José Operário de Ipiaú


Dionilia Bidu dos Santos( Dona Dio) Foto Vicente Andrade


Cada pessoa tem seu grau de contribuição para as transformações humanas da cidade. Uns com menos e outros com mais. O melhor ainda é quando algo brota do coração para servir as gerações.

Na tarde desse sábado (29), tive a satisfação de conversar com a professora Dionilia Bidu dos Santos, mais conhecia como Dió. Foi um papo de muita história e trajetória que demonstra a fé e a paz de dona Dió para fazer o bem.

Atualmente, dona Dió, está com 73 anos e ainda tem muita história para contar. Ela foi criada pelos avós maternos na Fazenda Santo Antônio, na água branca.

Durante a infância ficava na casa de família estudando. Depois casou e levou os dois irmãos menores para morar com ela.

De acordo com dona Dió ela já era mãe antes de casar por cuidar dos irmãos mais novos.  

Dona Dió depois que casou morou por oito anos em Candeias e depois retornou para Ipiaú para cuidar dos pais. Quando voltou terminou os estudos e começou a lecionar na zona rural do município.


A vida de professora

Em 1985 passou a morar na cidade, fez um curso de teologia e adentrou de vez no mundo cristão. Dona Dió tem um legado de servidão e caridade com o nosso município.
Ensinou no Ângelo Jaqueira, na casa do menor, na Escola Altino Cerqueira e por fim, no Cetan.     

Para Dió, o Cetan foi um lugar de muita experiência e dedicação.  

“No Cetan trabalhei com meninos de risco e que estavam a margem da sociedade. Foi uma grande escola e hoje mesmo fiquei muito feliz por reencontrar um ex-aluno meu. Ele tinha problemas com convivência e graças a Deus hoje ele esta trabalhando e está bem, fiquei muito feliz em saber disso” pontuou Dió.

A voluntária pela fé crista

Com o sorriso no rosto e a convicção de ser da igreja católica, dona Dió acredita no trabalho coletivo e da solidariedade para promover o bem.
Além de integrar o cargo de conselheira da Adas, também exerce função no Conselho Municipal de Educação. E nessa história de luta na educação social, ela atuou voluntariamente por 12 anos na Pastoral da Criança. Uma verdadeira batalhadora que merece nosso respeito e carinho pela trajetória de vida.  

De acordo com Dió a Pastoral da Criança também foi um lugar de muito aprendizado para ela.

“A pastoral da criança foi uma grande escola, passei 12 anos lá e aprendi a importância da vida comunitária, da fraternidade, espiritualidade e fé. Justamente por atender as camadas mais desfavorecidas” explicou Dió.
Para Dió “a pastoral da criança era formada por uma base de voluntários e em nossas atividades tinham a mística de pregar o evangelho”.

Além disso, Dió fez uma critica construtiva em relação às atividades realizadas atualmente pelos agentes comunitários.  

“Os agentes fazem os mesmos trabalhos, mas sem a mística do evangelho. Na minha época éramos todos voluntários e hoje se perdeu essa mística. Os agentes recebem pelo trabalho e às vezes falta o carisma no atendimento comparado com o trabalho que fazíamos antes” argumentou Dió.

A história da Igreja de São José Operário


A história de Dió não se resume apenas no ensino, ela também contribuiu para levantar a Igreja de São José Operário de Ipiaú. A igreja já está completando 25 anos de existência.

Dona Dió fez sua história e é um exemplo para a comunidade ipiauense. Durante a conversa, ela contou um pouco da história da igreja.

“Quando eu andava na Pastoral da Criança, a igreja de São José Operário era uma pequena capelinha que pertencia a Matriz de São Roque. Mas como a comunidade foi crescendo surgiu à ideia de o bairro obter seu lugar para evangelizar as pessoas e foi assim que começou a construção da igreja” contou Dió.  

Dona Dió também ressaltou alguns nomes que ajudaram na criação da igreja.

“Dona filinha, mãe de Jajai, Anísio Cardoso, seu Pedrinho, seu Agripino, Dona Maria Vieira, a professora Carmem e Eloisa   juntamente com a Escola Sagrada Família e tantos outros foram os percussores para a criação da paroquia de São José” explicou Dió.

Ela também mencionou a importância do Ex-prefeito Euclides Neto e José Motta Fernandes para a conclusão das obras. Dió também contou que a Denise, filha de Euclides, foi quem fez a planta da igreja.

Os padres    

E com muita sabedoria e memória dona Dió foi falando o nome dos padres que passaram pela Paroquia de São José Operário.

“O primeiro Padre foi o Adalton. Em seguida o Padre Eliseu iniciou a reforma, lembro que fizemos uma festa com cobertura de lona para conseguir recursos porque a igreja estava no chão, só tinha as paredes. Depois o Padre Neilton concluiu a obra, logo em seguida veio o Padre Celson. E atualmente o Padre Edilson vem atuando com inovações para a juventude e com trabalhos coletivos” pontuou Dio.
Foto: Darlene Guimarães Souza

“A igreja da Paroquia de São José Operário atende seis comunidades, a do bairro Aparecida, Sitio do Pica-pau, Constança, Antônio Lourenço e São João Batista trabalhando com a evangelização e resgatando famílias dos diversos problemas enfrentados pela sociedade. O trabalho da igreja tem gerado bons frutos” explicou Dió.

Considerações

Um simples texto não é o suficiente para evidenciar a grandeza do coração e atitude de pessoas. Para isso, precisaria de anos e de muita pesquisa para pontuar toda a trajetória e conquistas de vida de dona Dió.  Mas o que importa é saber que existem pessoas que cultivam a vida fazendo o bem para ser feliz levando alegria e conforto para todos que a encontram.

E assim pude perceber um pouco da virtude de Dona Dió em relação à vida e pelas belas ações que servem de exemplo para os presentes e as futuras gerações ipiauenses.

Faltam palavras para definir um momento especial de aprendizado conversando com dona Dió e é valido ressaltar a gratidão que ela tem com a vida por entender que a felicidade é ser feliz e que poder ser compartilhada.

“ Descobrir que Deus me ama e que todos nós somos filhos de Deus. Digo a todos os irmãos que vale a pena ser cristão. E ser feliz é ser feliz consigo mesmo, não importa os bens materiais, precisamos ser felizes como somos para encontrar a paz interior. A minha vida é maravilhosa e agradeço a Deus por ter mais um dia de vida. Faço o que eu gosto leio, escrevo, vou na rua, cozinho e minha vida é só alegria, tenho uma família muito unida com o amor e o carinho” finalizou Dió


Vicente Andrade
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial