.

BOTE FÉ! Jornalismo a Favor da Cidadania!

Não se pode tergiversar com o mal



 

Diretamente de Brasília:
Osires Rezende

Precisamos de uma JUSTIÇA ágil, transparente, que não deixe nenhuma margem de dúvidas.

Alguém mais sábio já disse que o silêncio dos bons faz o mal vicejar em proporções incalculáveis, mas para não nos acusarem de radicais vamos dar um crédito.

Vamos acreditar que a direção ou os proprietários da emissora de rádio que está afrontando a consciência civilizada da nossa cidade, mantendo no ar o programa de um radialista acusado de ter invadido uma creche e agredido, na presença das crianças, uma professora, foram ludibriados e ainda não se deram conta do infâmia que estão acobertando.

Sim. Porque invadir uma creche para agredir ou mesmo resolver questões estranhas aos que estão trabalhando é algo gravíssimo e tem que ser esclarecido com a máxima transparência, e só pode ser debitado a um doente, um tarado depravado, a um rufião boçal ou a um bandido de alta periculosidade que se acha acima e que pode manipular a lei dos homens, portanto nos três casos incapacitado de exercer a nobre profissão de Jornalista formador de opinião. Em sendo um doente é necessário que a emissora providencie o seu tratamento médico, em sendo um rufião que procure o seu lugar nos lupanares de baixa extração, em sendo bandido que se aplique os rigores da lei.

E se o radialista for inocente? Bem, é por isso que precisamos de uma JUSTIÇA ágil, transparente que não deixe margem de dúvidas. O fato existiu, além da crônica da doutora Elis Matos no blog BOTE FÉ, uma outra jornalista, Neide Pereira, na segunda feira 20/11 o noticiou, e sou informado que o radialista usa seu programa para bravatear, desafiar os pais das crianças e posar de bom moço, não é esta a instância para ele se defender, se isto for verdade, e se pode comprovar requisitando os áudios do programa, ele está tripudiando sobre a justiça e manipulando a opinião pública, isto é uma infâmia que não contribui em nada para a cidade, é por isso a direção da emissora e o Ministério Publico devem satisfações à sociedade.

Fica implícito que este pequeno crédito, para além da direção e proprietários da referida emissora, se estende aos agentes públicos, sejam políticos, prefeita, vice-prefeita, vereadores, sejam funcionários de carreira do Ministério Público, delegado de polícia, promotor, juiz de direito e assemelhados. À direção e proprietários da emissora compete espontaneamente, obedecendo princípios éticos, retirar o programa do ar ou substituir o apresentador, em não cumprindo esta obrigação moral, compete ao Ministério Público agir na forma da lei.

O que não é aceitável é se omitirem diante da corajosa e brilhante denúncia feita pela Doutora Elis Matos e o Blog BOTE FÉ, porque aí todos estes agentes estarão sendo coniventes com o mal e só resta à cidadania se mobilizar para denunciar e levar às barras dos tribunais a direção e os proprietários da emissora, pois isto se configura como um crime, e os agentes públicos, pois a omissão deles se configura como prevaricação.

Tudo isto é muito triste, é preciso dar um basta definitivo a essa cultura do cinismo e da violência, a sociedade não pode se intimidar se os agentes públicos da província não se compenetram dos seus deveres, AINDA HÁ JUSTIÇA EM OUTRAS INSTÂNCIAS.


Osires Rezende 
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial