.

BOTE FÉ! Jornalismo a Favor da Cidadania!

VIOLÊNCIA SEXISTA. ATÉ QUANDO, IPIAÚ?


Elis Matos
Elis Matos é ipiauense, feminista, licenciada em Filosofia (UESC), bacharela em Comunicação Social (UESC), Especialista em Gestão Cultural (UESC), no qual estudou os grupos culturais feministas do sul baiano, e mestranda em Linguagens e Representações (UESC), no qual centraliza sua pesquisa em Estudos de Gênero.


VIOLÊNCIA SEXISTA. ATÉ QUANDO, IPIAÚ?

Ontem à noite recebi um áudio via WhatsApp. Era a voz de um pai de uma aluna da creche municipal de Ipiaú relatando um caso de agressão ocorrido em frente às crianças que lá estavam. Um famoso radialista havia adentrado a creche e agredido sua ex-esposa em frente às crianças.

Uma das partes mais revoltantes do áudio (se é que ele todo não é um grande bum de revolta) é quando o senhor fala que ele tinha que “resolver as coisas dele sozinho com a ex-esposa”. Ou seja, O GRANDE PROBLEMA É A EXPOSIÇÃO DAS CRIANÇAS A VIOLÊNCIA SEXISTA. Sim, este é um problema GRANDE! Imaginem como não estão as cabeças destas crianças? Me preocupa. Mas me preocupa também o fato de que a violência contra a mulher entre quatro paredes é aceitável e até aconselhável. Pelo menos, foi isso que deu para interpretar da fala. Desculpem, MAS A VIOLÊNCIA SEXISTA É ERRADA EM QUALQUER AMBIENTE.

Quando comecei a escrever crônicas para este site, o fiz, única e exclusivamente, porque era um canal de comunicação com minha cidade natal. Por meio dele, eu poderia falar sobre a importância do FEMINISMO para as mulheres e para os homens de Ipiaú. Esta cidade não conta com nenhum grupo feminista (não que eu saiba), as escolas não recebem palestrantes sobre o tema (pelo menos na quantidade necessária). Casos como este de violência doméstica acontecem em grande quantidade e nós não ficamos sabendo por que o homem agressor não é “radialista famoso”, nem agrediu em meio público.

A violência doméstica é uma realidade. Segundo o Mapa da Violência de 2015, a cada 5 minutos uma mulher é agredida no Brasil. A ex-mulher deste radialista entrou para a estatística da agressão. Esperaremos que ela entre para a estatística do feminicídio para nos mobilizarmos contra todos os males provindos do machismo?

Ainda segundo o Mapa da Violência de 2015, UMA MULHER É MORTA A CADA DUAS HORAS, NO BRASIL. A mulheres estão morrendo pelo simples fato de terem nascido mulheres. Porque homens, como este radialista, pensam que são donos dos nossos corpos, vontades e que podem tirar as nossas vidas quando não obedecemos a suas regras ou quando não queremos mais estar casadas com eles... Ou por várias outras motivações alicerçadas neste machismo estrutural.

Vocês sabem por que o radialista (os dedos tremem para eu escrever o nome dele aqui) bateu na ex-esposa? Porque ele se julga dono dela, das vontades e do corpo dela. Porque ele cresceu em uma sociedade patriarcal que disse sempre que ele detinha o poder sobre a mulher.


Enfim, penso que este é um momento de importante reflexão sobre a importância do feminismo para toda a cidade. Amparar esta mulher e encorajá-la a buscar legalmente uma solução é um bom começo. É preciso julgar e punir os casos de violência contra a mulher. Avante na luta! Vamos juntxs!!!!!!!

Elis Matos
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial